Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

GAZETA DE POESIA INÉDITA

Espaço dedicado à divulgação de poesia original e inédita em língua portuguesa.

GAZETA DE POESIA INÉDITA

09
Jun18

REGINA CORREIA - NO RELÓGIO DA VOZ DE DEUS

Para o Bruno, meu filho

 

trago tambores cravados na
seda alva de suas lágrimas
recortadas no salto mortal
do leopardo para o festim

sob um manto de borboletas
azulando o tronco seco da
viagem última gravada no
relógio da voz de deus em mim

trago também o tempo das
pitangas que o cio da savana
traça no punhado de razões
que a razão primeira não alcança

como se uma crisálida de
pedra estendesse asa sôfrega
nas ancas espíneas das
acácias da minha andança

trago no braçado trémulas
flores de negrume com os
olhos esbugalhados no
leito branco dos matagais

à espera que a vida prenda
na esteira do tempo o mel
a canela e a correnteza ao
silêncio de todos os sinais

trago porta escancarada
sobre archotes a caminho
da tempestade e do batuque
sem voz do sangue perdido

caçador acocorado ali no
contrabando rio acima entre
pragas e cargas no lombo do
dia há muito escurecido

trago chicotes gargalhando
um ror de tempo no vaivém
dos insectos só febre nesse
eco amargo dos palmares

e suspiros na ponta de um
cigarro abraçado ao gosto de
veneno na ombreira do
medo agachado dos jantares

e no relógio da voz de deus
em mim trago a mão decepada
da noite encolhida num degrau
enferrujado tanta vez luar

diante do paraíso ido
reboa trovão cai o frio
sobre remorso embranquecido
colado aos mortos por velar


in Conjugação de Mapas, inédito



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Mais sobre mim