Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

GAZETA DE POESIA INÉDITA

Espaço dedicado à divulgação de poesia original e inédita em língua portuguesa.

GAZETA DE POESIA INÉDITA

01
Ago18

FILOMENA FONSECA - TEMPO DOS RELÓGIOS

Gosto de relógios antigos. Dos de parede.

Os que guardam o velho tempo e nos iludem.

Conheço alguns que se atrevem a cantar de cuco. Outros,

de religiosas manias, preferem clamar em ave-marias.

 

Gosto dos que só exibem os planos do tempo. Aqueles

que assistem a tudo e nunca se manifestam.

Os que estão parados, silenciosos e desligados.

Pendurados, só para sabermos que estão lá.

E tal como os outros, são completos,

de  ponteiros e horas nos sítios certos.

Ah! Como gosto desses relógios. Cada vez que neles

fixo o olhar, aquela boa sensação que o tempo parou

ali mesmo, sem sede, bem aconchegado à parede.

 

Dizem que no passado era o cantar do galo…

 

Agora descobri o tempo todo na minha cabeça,

só preciso saber aproveitá-lo.