Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

GAZETA DE POESIA INÉDITA

Espaço dedicado à divulgação de poesia original e inédita em língua portuguesa.

GAZETA DE POESIA INÉDITA

13
Mar21

INÊS LOURENÇO - "UM VERSO É SEMPRE DEMASIADO EXÌGUO"


Um verso é sempre demasiado exíguo

para conter o mar. Quantos milhões de milénios levou
a Terra para fracturar continentes e arrefecer os oceanos
incandescentes da lava primordial?

É sempre o mar da Foz do Douro que
me arrasta para esse inacessível tempo sem medida
quando revejo as rochas e a espuma
ou reencontro o Café do Molhe

onde o Pina evocou o desencanto da utopia
na ambulante utilidade de umas certas pernas. Podemos
sair para um passeio à Cantareira
levados pelo Eugénio, ainda
antes de cantar as palmeiras do Passeio Alegre
altas como marinheiros de Homero.

Seguiremos até ao Forte de S. João Baptista
que viu nos invernos a maré assolar os
passantes desprevenidos e terrestres viaturas. E
o tempo do mar deste século

leva-me para as antiquíssimas manhãs
de nevoeiro, onde não surgiu o Desejado, mas
começou a vida deste Forte. Nenhum Alcácer-Quibir
turvou nunca a indestrutível existência destas águas
que qualquer verso é demasiado exíguo para conter.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mais sobre mim