Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

GAZETA DE POESIA INÉDITA

Espaço dedicado à divulgação de poesia original e inédita em língua portuguesa.

GAZETA DE POESIA INÉDITA

08
Dez20

MÁRCIO LUÍS LIMA - PRELÚDIOS

I

Quando a manhã desponta as manchetes
Dos jornais e o sol nas bancas dos quiosques,
A azáfama corre pelas calhas e veredas
Dos homens baldios que não entardecem
Nos seus próprios lençóis de sede branca.

Um som – narizes a fungar – ecoa pelas ruas
Repletas de trabalhadores de sábado que ignoram
As presenças fumegantes e recém cardinas.

A aurora apaga luzes artificiais e seca
Gargantas grossas amolecidas. Acoita
O mendigo e desarrolha o vadio – fez-se luz.

II

Uma jovem mulher de curtos cabelos escuros
Prepara um café enegrecido para o seu estômago
Ensonado, e para o noivo alienado que perscruta
O odor dos lençóis.
Oito da manhã.
Os cavalos já roncam pelas ruas de calçada
Portuguesa, chiam os travões,
Derramam-se óleos e combustíveis, os mecânicos
Alistam-se com cigarros no sobrolho
E os taxistas já acarretam três histórias de bolso,
Mais sete programas matinais nos ouvidos
Cobertos de pelos e ceras orientais.

Os quiosques correm as persianas metálicas,
Os cafés e pastelarias as tais de pano barato.
Quem à rua vem, na rua não fica, mascara
O rosto com vestes prensadas e o quarto
Assemelha-se a uma tipografia muito velha
Imprimindo jornais regionais.

O cheiro a café na cozinha
E da jovem mulher de
Curtos cabelos escuros
Nos lençóis do quarto
Inebria a prensa nessa manhã.

III

Não é isto um livro de poemas?
Quando o pano diurno cai e em cena
Entra a noite sem que a avistem
Ou avisem sequer que é sua a noite?

Um vigilante atenta nos detalhes
Em que a mudança se dá, mas jamais
Jamais verseja. Recolhem-se as
Máquinas automobilísticas no resguardo
E os miúdos atiram-se nas passadeiras,
«Onde vais?» já não vai, foi.
Arrastam-se os cadáveres prédio acima
Pelo elevador semblante a caixa de fósforos.
Agora no vértice da cumulação
Arrebate as palmas das mãos
Ao rosto do espelho:
«Onde vais?»,

Mas já não vai.

IV

No hall do prédio ele engenha
A palhoça de tabaco húmido
Na palma da mão trémula,
Desde a onça até à mortalha,
Segurando nos lábios secos
Um filtro branco, sem textura.
Assim que finda o processo
Da obra, incinera
Na arquitectura de Prometheus e
Com avidez desponta a
Fragilidade humana
Do vício.

Insiste em caminhar na linha
Recta que o comanda
Ao exterior, num pueril
Respeito inconsciente
À ditosa lei “proibido fumar”.

Teima em calcar o chão
Como se as pedras queimassem
A borracha dos sapatos, e a
Pressa de chegar a nenhures
O obrigasse aos movimentos
De assiére e avant
Sem público que o alcance.

A rua segue enegrecida e escura
Só a água da piscina ilumina
A triste ponta do cigarro, obra
Que ele não estima entre os
Dedos, oferecendo ao sapato
A presunção do prazer à desfeita.


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mais sobre mim