Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

GAZETA DE POESIA INÉDITA

Espaço dedicado à divulgação de poesia original e inédita em língua portuguesa.

GAZETA DE POESIA INÉDITA

18
Dez19

FÁTIMA VALE - DEGRAUS DE VENTO

  

preciso desesperadamente de ir aos lugares 
para decifrar as minhas águas
é nelas que vejo a imagem e o significado
os passos são o vento que abre a visiva 
o nosso olhar – essa dança parada

alpina a memória sobe ao símbolo como fervura levantada
todavia o que lembramos é indício de caminho ainda por chegar
um simples cântico pode acelerar mais uma obra que mil motores

entre os bancos da basílica passam caudais de silêncio
onde afluem pequenos regatos ajoelhados perante o que constroem
tecem arapucas a fio de medo entre as sombras
é brilhante a dolorosa seda das preces afinadas
altares com o resumo à escala vulgata da separação
metem a mão no bolso dos mistérios guiados
bate catabático o vento no peito trancado
abrem asas nas máscaras da fé imaginada
o desejo e o perdão entrelaçam-se noutra atmosfera
uma monja da ordem fechada no altar gradeado
é o vértice da leveza submissa reclusa em pedernal
lentamente fujo para respirar o abismo a céu aberto
sentir-me cair lágrima abaixo ampliada
reter a imagem de tudo e escorregar na incerteza da escada

porvindoura uma percussão chama-nos no poente ultrapassado
a mesma antecede a pele do animal tocado
numa paisagem sem chão só o silêncio arrulha

a voz sai como eco tatuado
os braços caem para dentro de outros nascentes
e as mãos em rizoma da perifala
bordam as linhas em si desenhadas

porvindoura uma dança acontece
dentro da luz que nos é lançada

tu apareces em vários tons de negro parado na estação
os teu olhos entram na minha voz quando falo
pois falar é abrir um deserto a um público sempre escasso
e só lhes nascem aos mãos quando nos querem matar
ou cobrir de flores

é de negro que estás na minha tábua flutuante
para que te distinga sobre a neve que encobre a visão do gesto

deste espartilho de pedra plantada
com um amor que anestesia as pregas da ausência




fátima vale, no caminho do meio da tábua flutuante

[ correspondência com fernando lemos e gerald thomas ]




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Mais sobre mim