Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

GAZETA DE POESIA INÉDITA

Espaço dedicado à divulgação de poesia original e inédita em língua portuguesa.

GAZETA DE POESIA INÉDITA

25
Mar20

JOÃO MORGADO - DE JOELHOS


Ainda estou de joelhos, não vejo o céu.
Deixa-me erguer as pernas, desdobrar as asas.
Deixa-me tirar o peso que tenho nos ombros,
das doenças, das mortes, das cruzes, das infidelidades do mundo.
Deixa-me sacudir o corpo para afastar os abutres
e apartar o suor do medo.

Ainda estou de joelhos. Não. Daqui não se vê o céu.
É tanto o que me verga que não consigo levantar a cabeça.
Cabisbaixo ninguém vê o céu, nem o sonho sequer.
Os pássaros não poisam em árvores vergadas.
Tenho que aproveitar este olhar térreo
para redescobrir a minha raiz, o meu chão.
As forças chegarão depois. Quando o teu clamor se fizer sentir.

Ainda estou de joelhos. Não. Daqui não se vê o céu.
Mas já se vê a tua mão.
Oiço o teu grito: não desistas, estou contigo.
Deixa-me desdobrar as asas, chamar os pássaros.
Já te sigo.

João Morgado, 2020








Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Mais sobre mim