Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

GAZETA DE POESIA INÉDITA

Espaço dedicado à divulgação de poesia original e inédita em língua portuguesa.

GAZETA DE POESIA INÉDITA

07
Jan20

RODRIGO NOVAES DE ALMEIDA - TOCATA E FUGA FUNESTAS

Inspirado em TODESFUGE, de Paul Celan (1920-1970).


Um pingado nós bebemos toda manhã
e ao meio-dia e no fim da tarde.
Nós comemos um pão na chapa
e, quando conseguimos, um pastel ou um salgado.
Levantamos as paredes das nossas casas
e batemos laje.

O homem, ah! o homem
brinca com seus cães de caça
que não são como os nossos cães
vadios.

O homem, ah!, o homem
diverte-se com sua mulher,
que tem lobo no nome, e faz leis
para mandar nossa gente para a cova.

Um pingado nós bebemos toda manhã
e ao meio-dia e no fim da tarde.
O leite ralo e o pó de café sujo
não são os mesmos da mesa
do homem com a mulher
que tem lobo no nome.

Ele ordena aos seus cães de caça:
« Cavem fundo na terra.
Vamos enterrar ossos. »
O céu é cinza sobre o Brasil
enquanto o homem faz leis
para mandar nossa gente para a cova.

« Toquem o tambor da marcha marcial. »
Ele exige.
« Cantem ao deus que está acima de tudo.
Matem, matem. »
E assim é a dança,
a dança de destruição e morte.

O céu é cinza sobre o Brasil.

Um pingado nós bebemos toda manhã
e ao meio-dia e no fim da tarde.
O ouro negro foi entregue para estrangeiros.
A carne negra ficou para ser abatida.
« Cavem fundo na terra.
Extraiam o negro, enterrem o negro. »

O homem com a mulher que tem lobo no nome
brinca com seus cães de caça e deseja.
Destruição e morte
são a pedagogia final do Brasil.



São Paulo, 17 de outubro de 2019.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Mais sobre mim